Contos clássicos do Gótico

img_20151106_233927955.jpg

Comprei essa coleção no final do ano passado e não me arrependi. Nela têm vários contos do gótico um gênero que é associado ao romantismo e ao Terror com seus castelos em ruínas e paixões além túmulo. No caso dessa coleção temos gótico ligado ao Terror/Horror com contos como  O vampiro de John Polidori, A pata do Macaco  de W.W. Jacobs, Lote 249 de Arthur Conan Doyle entre outros.  Também tem artigos interessantes sobre o fascínio que o medo exerce sobre os seres humanos. É verdade, o medo nos atrai e por  assistimos filmes e séries ou lemos livros sobre criaturas sobrenaturais e assassinos em série para vivenciarmos situações que na verdade não queremos viver na vida real, mas de algum modo nos atraem.

Já li algumas explicações científicas sobre o fascínio do ser humano pelo medo, mas francamente não creio nelas. Acho que a melhor explicação foi dada é que civilização não conseguiu tirar nossos instintos primitivos, se notar competimos entre nós mesmos, e ficção de terror/horror e crime nos faz vivenciar o medo, mas nos permite voltar para casa na hora que quisermos, essa é uma explicação de Agatha Christie.

 

Lendo ‘’O vampiro’’ Polidori se percebe que  Bram Stoker tirou muitas ideias desse conto para criar o Drácula e muitas dessas ideias são usadas até hoje como, o vampiro belo que usa a sedução para conseguir a sua vítima. Outro conto de destaque é ‘’Lote 249’’ de Conan Doyle, o autor do de Sherlock Holmes nesse contos um universitário começa a suspeitar de seu estranho colega. ‘’Lote 249’’ foi adaptado  nos anos 90 para uma coletânea de filmes de terror e para mim é um dos melhores contos de Conan Doyle.

E eu não poderia deixar de comentar o excelente ‘’ A pata do macaco’’ de W.W Jacobs onde uma família ganha de um conhecido um amuleto com a forma da mão de um macaco que realiza qualquer desejo. Essa história deve ter muita influência de ‘’ As mil e uma noites’’ com o desejo que se volta contra quem o fez e tem um dos melhores finais da literatura quando o marido faz o terceiro desejo. Eu conheci esse conto num especial de TV quando eu era adolescente e por muito tempo achei que fosse de Edgar Allan Poe e sem dúvida um dos melhores contos de Terror de todos os tempos.

 

Uma coisa que me chamou a atenção lendo esses contos góticos antigos( aqui incluo também contos que não estão nesta antologia) é que a ideia de vampiros não poderem ter relações sexuais parece mais uma ideia recente, pois em alguns contos são relatados que esses sere se entregavam ao prazer sexual com direito a orgias.

 

É um ótima leitura para os fãs do gênero gótico da Literatura de Horror/Terror.

Pablo Escobar, El Patron del Mal

pablo-escobar-el-patron-del-mal.jpg

 

Terminei de assistir à minissérie ou narco novela, Pablo Escobar, El patron del mal, que foi exibida na Brasil como Pablo Escobar, o senhor do tráfico. Cheguei a acompanhar os primeiros capítulos na época em que a minissérie foi lançada em 2012, mas não consegui ver toda e também não pude acompanhar quando ela foi exibida na TV por assinatura. Agora a encontrei no Netflix e consegui ver todos os capítulos, que são 74, mas se não engano ela mais extensa na versão colombiana.

Basicamente é uma biografia sobre Pablo Escobar, mostrando ascensão e queda de um dos chefes do Cartel de Medellin.   Eu gostei muito da atuação de Andrés Parra, que faz Pablo Escobar, e dos demais atores do elenco.  Além de contar a vida do mais famoso traficante do mundo, a minissérie mostra um período conturbado da história da Colômbia, o que foi muito interessante para mim, pois não conheço muito da história dos outros países da América Latina. Outra coisa legal dessa mini série é que ela se preocupa com as vítimas do cartel de Medellin e isso é uma virtude,porque quase sempre as vítimas são deixadas de lado nesse tipo de história e gera uma certa apologia ao mal, mesmo que involuntária . Fiquei bem triste no episódio do atentado que derrubou um avião comercial e no assassinato de um jornalista.( Isso não spoiler,porque são fatos públicos). Tem alguns pontos fracos em algumas cenas onde faltou um pouco mais de produção, mas a mim não incomodou e nem chega a atrapalhar o conjunto da obra.

Vendo essa minissérie fiquei pensando como é que pode alguém que ama tanto a família e até é um cara agradável pode cometer tanto crimes horríveis e também sobre como as coisas na vida podem mudar e se realmente algumas coisas valem a pena. Eu não duvido que na vida real Pablo e seus companheiros fossem pessoas a divertidas e até simpáticas, de quem às vezes sentimos simpatia, esquecendo do mal que essa gente causou. Basta ver as cenas de festa de família e as conversas que os bandidos têm entre si para entender o que eu quero dizer. E também fiquei pensando como o poder enlouquecer uma pessoa, tem um determinado momento em que Pablo se sente tão acima de tudo que causa o próprio fim por uma bobagem.

 

É uma ótima mini série ou narco novela* que vale muito a pena ser vista. Deixarei um link com uma entrevista com um dos matadores que trabalhava para Pablo Escobar para quem se interessar entenda o que eu digo sobre se perguntar ‘’ Como alguém como ele foi capaz disso?’’

 

*Narco novela é o termo usado nos países de Língua espanhola para novelas e séries que abordam o tráfico de drogas.

O link para entrevista do matador de alguel do Cartel de Medelin: https://m.youtube.com/watch?v=-IeMFMrh1_c

1984

12562_g.jpg

 

Finalmente li esse livro que é um clássico da Ficção científica e da literatura mundial. De certa forma é uma tentativa minha de perder uma certa implicância que eu tenho com Ficção Científica, que  é um gênero que não me desce, a não ser em raras ocasiões.

Lendo 1984 eu senti como se lesse uma profecia assustadora dos dias atuais e de talvez um futuro próximo, onde as pessoas vivem sozinhas e são vigiadas o tempo todo e até mesmo os casais e as famílias não confiam mais um no outro. Penso que as  coisas que George Orwell não previu foi que o autoritarismo seria exercido usando a democracia para tomar o poder, onde ser criou uma censura velada com a desculpa de inclusão e combate ao preconceito que na verdade faz as pessoas brigarem umas com as outras, e que as próprias pessoas exporiam suas vidas em público, no caso em redes sociais. Mas ele percebeu que por trás de revoluções e partidos existe um único fim o poder e poder pelo poder. 
Mesmo percebendo que o socialismo só queria o poder e mais nada Orwell deixou claro que ainda acreditava na ideologia socialista e atribuía as ditaduras à pessoas que distorceram as ideias  de ‘’mundo melhor’’ do socialismo. Achei o final um tanto conformista demais para o meu gosto, porém realista. É um ótimo livro copiado até hoje, mas também tem algo de profético sobre os dias atuais.

Prazeres culposos: O Justiceiro

dolph-lundgren-the-punisher-movie-marvel.jpg

Reassisti a esse filme há duas ou três semana e fiquei encantada, porque descobri que ainda gosto muito dele mesmo depois de tanto tempo. Só descobri que se tratava de uma adaptação dos quadrinhos recentemente. O filme conta a história de um policial que tem a família assassinada por mafiosos e decide se vingar.

A maioria das críticas que eu li a respeito dizem que o filme é ruim porque não é fiel ao quadrinho e Dolph não passa emoção, como eu nunca li O Justiceiro, não sei comentar sobre isso, mas com filme de ação ele funciona muito bem. Eu achei que o Dolph tava bem nesse filme . Entendi o personagem como alguém pertubardo com a dor da perda e já não sentia mais nada, por tanto não tinha porque se debulhar em lágrimas. Adorei o visual do Dolph Lungren no filme(eu sou suspeita, porque eu gosto muito desse ator) como um motoqueiro. Até gostei da ideia dele ter que cooperar com um inimigo por causa de um certo evento e de ter seu julgamento moral balançado. A cena final é bem tensa e eu duvido que a patrulha ”policamente correta pacifista” deixaria passar aquilo atualmente.

No fim das contas O Justiceiro é um bom filme de ação dos anos 80 que é simplesmente divertido de ver.

Pai contra Mãe

machado_de_assis_1905_small.jpg
Esse é um dos melhores contos de Machado de Assis e a melhor história sobre a escravidão já escrita, pois mostra o quanto aquilo era brutal e também mostra os dois lados da moeda, o caçador de escravos e a escreva fujona.
Conheci esse conto de forma oral num programa de televisão quando o professor de história narrou a história do homem pobre desesperado para salvar seu filho recém nascido da roda do enjeitados, que encontra uma escrava fujona grávida. E mesmo dessa vez eu achei uma história triste e bem realista, porque não têm como alguém não se colocar no lugar do protagonista do conto e concluir o mesmo que ele, mesmo sendo algo cruel.
Só descobri que era um conto de Machado de Assis um bom tempo depois de ter assistido a aula pela TV, quando comprei um livro de contos dele. O conto é  uma aula sobre a natureza humana, que na verdade busca a sobrevivência. Pode ser impressão minha, mas eu senti que o protagonista se sentia mal ao fazer o que ia fazer, mas ele não viu saída. O que eu sempre admirei em Machado de Assis é que mesmo ele sendo mulato, ele nunca colocou negros e mulatos como ‘’seres bonzinhos’’, mas como seres humanos com todos defeitos e virtudes que todos nós temos.

Sobre esse conto em especial é interessantes como ele não tomou o caminho mais fácil que seria contar a partir do ponto de vista da escrava, mas ainda assim a pessoa que lê nota o quanto autor achava revoltante a escravidão. Fico imaginado se a patrulha ‘’politicamente correta’’ deixaria passar uma história assim atualmente.

 

Sobre as olimpíadas

 

 

img_20160820_213850.jpgE deu tudo certo, como o previsto, pelas pessoas que gostam de se divertir. Confesso que eu não levava muita fé, mas adorei ver o nosso país recebendo um evento tão importante.  Acompanhei as modalidades que gosto, mas com um pouco de dificuldade por causa da transmissão em rede aberta de TV. Mas eu gostei mais do encerramento do que da abertura, nada de mais só gosto mesmo.

É claro que eu fiquei muito feliz em ver o Brasil ganhando medalhas em outras modelidades que não são populares , mas fiquei contente com a medalha de ouro da seleção masculina de futebol que jogou muito bem e mais uma vez mostrou que o esporte favorito do povo brasileiro, porque une o povo. Ao contrário de uma boa parte das pessoas, eu achei engraçado o Nymar dizendo ” Vão ter que me engolir”. Amei ver a medalha de ouro do boxe, porque um esporte  demonizado por gente ”pacifista”.

Não acompanhei o futebol feminino, porque não gosto da modalidade e na minha opinião as pessoas têm todo direito de não gostar de uma modalidade ou de qualquer outra coisa sem serem taxadas de preconceituosa, porque é apenas gosto e nada de mais. Perece que CBF não tem mais interesse em manter uma seleção feminina, porque não teve o retorno desejado. Pois é, invéns de unir as pessoas alguns grupinhos usaram o futebol femino para desmerecer os rapazes e fazer aquele vitimismo chato, ou seja desunir as pessoas. Tanto que não fizeram piadas com derrota delas como acontece com a seleção masculina, que é uma das graças do futebol. Resolvi mencionar o futebol feminino, porque o simples fato de um jornalista dizer que não gosta e acha chato foi motivo para demonizar o cara.

 Acho que o ponto negativo veio do caso dos nadadores americanos e de um certo mimi e dos idiotas que tentaram apagar a tocha olímpica( essa passagem da tocha daria uma baita comédia). Até mesmo com a vitória da seleção masculina de futebol o pessoal falando dos problemas de educação, saúde e segurança pública do Brasil. Francamente se querem melhorar as coisas tratem de votar em quem presta, invés de mimi ‘’idiotologógico’’ de esquerda x direita, sim esse negócio já chegou na raia da idiotice e passou até do fanatismo. Deveriam deixar os esportes em paz, ou entrarem numa arena de boxe ou outro esporte de luta e brigarem para ver quem é mais idiota. Haha!

No fim das contas a despeito dos problemas do país e dos comentários preconceituosos da imprensa estrangeira foi um grande evento.

Prazeres culposos

dolph-lundgren-the-punisher-movie-marvel.jpg

Sabem aqueles filmes, novelas, livros e entretenimento que a maioria acha ruim( muitas vezes é ruim mesmo), mas a gente gosta do mesmo jeito, pois é, de vez enquando eu vou postar sobre alguns dos meus gosto um pouco duvidosos.

Na foto Dolph Lundgren no filme ”O Justiceiro”, considerado por muito um filme ruim, mas eu acho um ótimo filme de ação de sua época. Em breve eu comento aqui sobre o filme.